No climatério, as mulheres devem usar doses e hormônios diferentes?

O fato de ministrarmos uma medicação e as queixas desaparecerem não significa que o tratamento deu certo.


O hormônio, quando prescrito para o tratamento dos sintomas do Período do Climatério (40-65 anos), deve atingir no sangue, níveis adequados, que devem ser dosados para realizar controles trimestrais ou semestrais de acordo com a absorção que cada paciente apresenta. O controle deve ser idêntico quando realizamos outros tratamentos hormonais, a exemplo das disfunções da tireoide. Controles minuciosos são feitos até atingirmos a dose fisiológica adequada para a idade de cada paciente, para nos certificarmos que o valor está adequado e que o efeito desejado foi atingido.


Cada mulher é um ser único, diferente das demais, mesmo que seja irmã gêmea idêntica. A despeito das células de cada órgão terem as mesmas funções, quando ministramos uma medicação, a capacidade de absorção e o metabolismo são variáveis para cada indivíduo. Se não aplicarmos essa conduta e apenas avaliarmos o desaparecimento dos sintomas, pouco estaremos realizando de forma científica. Sob o ponto de vista farmacológico é necessário acertar a dose correta para cada paciente.


Jamais, sugerir usar a medicação porque deu certo com a amiga. Da mesma forma deve ser a “via de uso” do produto. Não adianta ingerir pela boca se o fígado inativa o produto; pela pele se a absorção é deficiente e se a cidade possui temperatura elevada etc. Fazendo uso dessa via de administração, não é preciso ficar lembrando se fez uso, a hora de uso, ingerir por boca ou passar na pele o medicamento diariamente. Uma comodidade e facilidade que a mulher merece; ao avaliar o custo das medicações adquiridas ao longo de doze meses e o uso do implante uma vez ao ano, são muito próximos. Dessa forma estaremos propiciando um retardo na perda da proteína que sustentam vários órgãos: pele, unha, dentes, cabelo, ossos, tendões, articulação, ou seja, todos os músculos, ligamentos e tendões. O hormônio feminino é a única substancia responsável pela manutenção dos processos de envelhecimento e das atrofias em todos os órgãos, sem exceção. Então por que não iniciar o tratamento completo: primeiro pelo seu interior e após pelo externo? Ao dialogar e discutir todas as sugestões abordadas neste texto, a paciente sairá definitivamente da caixinha de sofrimentos, que perdura há milênios.


No período do Climatério, relembrando que na atualidade compreende a faixa etária dos 40-65 anos, é importante pesquisar o momento do início das quedas hormonais, para iniciar o tratamento o mais precoce possível e da forma que a Medicina Moderna orienta; todas as ações baseadas em Evidências Científicas, Comprovações, Controladas por dosagens no sangue e solicitando a prestação de serviço de um profissional especialista no assunto.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Eu participei de uma live dia 19 no canal Pai Eterno, falando um pouco sobre fases críticas na vida da mulher com alterações psicológicas e outros assuntos da saúde da mulher, veja na integra!